SUV pode ser cupê? Tendência ganha força no mundo com lançamentos de grandes marcas

Esqueça o conceito de SUV 'altão'.

Modelos com queda mais suave no teto, comuns entre as marcas de luxo, começam a aparecer entre as fabricantes de maior volume.

Queda suave do teto é marca registrada dos SUVs cuoê, como o Volkswagen Nivus Divulgação/Volkswagen A Volkswagen deu grande peso ao Nivus, seu principal lançamento no Brasil em 2020.

Ele é o primeiro carro da marca desenvolvido na América do Sul que será produzido também na Europa, além de estrear o novo logotipo da empresa no país.

Outro feito, talvez mais importante, seja o de lançar uma categoria no mercado brasileiro: a dos SUVs cupê, que, como o próprio nome já diz, é uma mistura do porte do utilitário esportivo e com a linha suave dos carros cupês, como o Porsche 911. Esse tipo de veículo não é exatamente novo.

Há mais de uma década, a BMW tem seu X6.

O modelo de carroceria, inclusive, foi copiado por quase todas as fabricantes de luxo.

A sacada do Nivus é trazer o estilo para modelos de maior volume. A estratégia é inteligente, já que, quase sempre, o SUV cupê é uma variação de outro carro, já existente. No caso do novo modelo da Volkswagen, apesar de ele ser maior do que o T-Cross em comprimento e porta-malas, sua base é semelhante à do Polo - exatamente por isso possuem o mesmo entre-eixos.

Ainda na comparação com o T-Cross, o Nivus é 8 cm mais baixo, tem 1,49 m, contra 1,57 m - outra tendência entre os SUVs cupê .

Traseira do Volkswagen Nivus Reprodução A Volks não está sozinha nessa, e foi só a primeira marca a lançar um SUV cupê no Brasil.

A próxima, no ano que vem, deve ser a Fiat, com um derivado do compacto Argo.

Mais para frente, entre o fim de 2021 e o início de 2022, chega a versão final do conceito Fastback, apresentado no Salão do Automóvel de 2018, o segundo modelo da marca com esse estilo.

Em fevereiro, Antonio Filosa, presidente da FCA, dona da Fiat, disse que o design será a principal característica deste modelo.

Fiat Fastback no Salão do Automóvel 2018 Marcelo Brandt/G1 No exterior, a Renault já lançou seu SUV cupê.

É o Arkana, vendido na Rússia, mas já confirmado para outros mercados europeus.

Ele utiliza a mesma plataforma B0+ de Duster e Kaptur (como o Captur é chamado por lá), mas traz visual mais refinado, com a traseira com queda mais suave.

Sua vinda ao Brasil foi especulada, mas parece que ele não faz mais parte dos planos da filial local.

Renault Arkana é SUV cupê criado para o mercado russo Pavel Golovkin/AP A própria Volkswagen, na China e nos Estados Unidos, já oferece modelos com essa carroceria: Tayron X e Atlas Cross Sport, respectivamente.

Só que a dupla é bem maior do que o Nivus.

Não existe uma tendência de os SUVs cupê serem mais caros ou baratos do que seus similares "convencionais".

No caso do Nivus, a Volks não divulgou os preços, mas afirmou que ele será mais barato do que o T-Cross.

Já entre os modelos de luxo, acontece o contrário.

Variantes com visual cupê costumam ser mais caras do que as demais.

Estilo conhecido BMW X6 foi o primeiro a trazer estilo SUV cupê Divulgação/BMW Ainda são poucos os SUVs cupê entre as marcas de maior volume.

No entanto, a necessidade de expandir as opções no mercado, bem como a preferência dos clientes por utilitários esportivos, deve estimular as fabricantes a seguirem por esse caminho, como já fazem as marcas de luxo.

Como dito acima, o BMW X6 inaugurou esse segmento, ainda em 2008.

De lá pra cá, as fabricantes de luxo seguiram a mesma receita.

A própria BMW criou o X4, versão menor de seu primogênito.

A Mercedes-Benz tem os seus GLC e GLE Coupé, enquanto a Audi recentemente apresentou o Q8.

Até a Porsche fez uma variação cupê do Cayenne.

Porsche Cayenne Coupé André Paixão/G1
Categoria:Carros